Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/12127
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorAndrade, Maria das Graças dos Santos-
dc.date.accessioned2018-10-29T10:38:50Z-
dc.date.available2014-02-04-
dc.date.available2018-10-29T10:38:50Z-
dc.date.issued2013-08-09-
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/12127-
dc.description.abstractThis paper aimed to evaluate the quality of ‘Vitória’ pineapple compared with 'Pérola' pineapple, based on physical and physicochemical evaluations. Therefore, it was evaluated inflorescences of both cultivars grown under conventional management (NPK) using as source urea (N), simple superphosphate (P), and potash chloride (K) according to the fertilizer recommendation. The experimental design was of randomized block, with three replications and the experimental unit consisted of a plot containing 100 plants, being taken into account as useful area the 60 central plants. Pineapples were harvested at the commercial maturity, and transported to the Laboratory of Biologia e Tecnologia Pós-Colheita do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba, Areia-PB. The evalutions were fresh weight, length and diameter, peel color, firmness and pulp yield of inflorescences, soluble solids (SS), titratable acidity (TA), SS/TA ratio, hydrogen potential (pH), ascorbic acid, reducing and non-reducing sugars. Data were subjected to analysis of variance and means compared by the T test at 5% error probability. The fresh nasss of ‘Perola’ and ‘Vitória’ pineapple inflorescences did not differ between them. Regarding the length of the inflorescence and of the crown, it was observed higher values for ‘Perola’. On the other hand, the diameter of the cultivar Vitoria was higher as also was the firmness and pulp yield of inflorescences. The ‘Perola’ pineapple present higher green color intensity in the shell. Regarding the pulp, 'Vitoria' presented higher lightness compared to 'Pérola'. The titratable acidity did not differ between cultivars. For other characteristics, Pérola cultivar ' showed superior results as compared to 'Vitória'.pt_BR
dc.description.provenanceSubmitted by paulo silva (sitiojaq@bol.com.br) on 2018-10-29T10:38:50Z No. of bitstreams: 1 MGSA29102018.pdf: 706203 bytes, checksum: 6d128c4318e361877765042f3b9d8ce7 (MD5)en
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2018-10-29T10:38:50Z (GMT). No. of bitstreams: 1 MGSA29102018.pdf: 706203 bytes, checksum: 6d128c4318e361877765042f3b9d8ce7 (MD5) Previous issue date: 2013-08-09en
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal da Paraíbapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectAnanas comosus var Comosus,pt_BR
dc.subjectÍndices de maturidade e qualidade.pt_BR
dc.subjectAbacaxi - Cultivarpt_BR
dc.titleASPECTOS DA QUALIDADE DE INFRUTESCÊNCIAS DOS ABACAXIZEIROS ‘PÉROLA’ E ‘VITÓRIA’pt_BR
dc.typeTCCpt_BR
dc.contributor.advisor1Silva, Silvanda de Melo-
dc.description.resumoO objetivo deste trabalho foi avaliar a qualidade de abacaxi ‘Vitória’ em comparação com o ‘Pérola’, através de avaliações das características físicas e físico-químicas. Para tanto, avaliou-se infrutescências dos dois cultivares do abacaxizeiro produzidas sob manejo convencional (NPK), utilizando como fonte uréia, superfosfato simples e cloreto de potássio, conforme recomendação de adubação. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com três repetições e a parcela experimental consistiu de um leirão contendo 100 plantas, sendo considerada como área útil as 60 plantas centrais. Para as análises, foram utilizados 15 abacaxis, sendo cada um considerado uma repetição e para as físico-químicas três repetições de cinco infrutescências. Os abacaxis foram colhidos quando atingiram a maturidade comercial, observando o desprendimento da malha na base da infrutescência e transportadas para o Laboratório de Biologia e Tecnologia Pós-Colheita do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba, Areia-PB, onde foram avaliados. As avaliações físicas foram massa fresca, comprimento e diâmetro, coloração da casca, firmeza e rendimento da polpa das infrutescências. As avaliações físico-químicas foram sólidos solúveis, acidez titulável, relação SS/AT, potencial hidrogeniônico (pH), ácido ascórbico, açúcares redutores e não redutores. Os dados foram submetidos a análise de variância e as médias comparadas pelo teste T em até 5% de probabilidade de erro. A massa fresca das infrutescências de abacaxi ‘Pérola’ e ‘Vitória’ não diferiu entre si. Quanto ao comprimento da infrutescência e da coroa observou-se maiores valores para o Cultivar Pérola. Por outro lado, o Cultivar Vitória mostrou-se superior quanto ao diâmetro das infrutescências, firmeza e rendimento de polpa. A intensidade da cor verde na casca do abacaxi ‘Vitória’ é mais elevada quando comparado o ‘Pérola’. A polpa do cultivar ‘Vitória’ teve maior luminosidade em relação ao ‘Pérola’. A acidez titulável não diferiu entre os cultivares. Para as demais características físico-químicas o cultivar ‘Pérola’ apresentou resultados superiores ao ‘Vitória’. Palavras-chave: Ananas comosus var Comosus, novas cultivares, Índices de maturidade e qualidade.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentCiências Fundametais e Sociaispt_BR
dc.publisher.initialsUFPBpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIApt_BR
Appears in Collections:TCC - Agronomia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MGSA29102018.pdf689,65 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.