Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/14989
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorOliveira, Gleidimar Alves de-
dc.date.accessioned2019-07-04T17:49:58Z-
dc.date.available2019-07-04-
dc.date.available2019-07-04T17:49:58Z-
dc.date.issued2018-12-12-
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/14989-
dc.description.abstractThe present study investigates the reification of social relations - objectification - in the Marxist tradition, with a focus on the actuality of this phenomenon. In order to achieve this objective, three chapters have been constructed: The first chapter addresses the permanence (or not) of the current objectification and the circumstances in which it appears; the second chapter had as purpose to think the validity of the reification’s concept from the dialogue with Georg Lukács to whom the reification is interpreted as that emphasizing the bond with the Weberian rationalization in opposition to the Marxian foundation of the reification that recognizes it in the abstract work and the universalization of the commodities; in the third chapter, the emphasis is on the alienation, the reification and the fetishism of the commodity, in order to validate the interaction between these three Marxian categories, as regards the conditions for the emergence of social reification. At the same time, the intersection and particularity of these same three chapters are verified. Thus the hypothesis we announce is that the Marxian reification is a distinct category of Marxian alienation and fetishism. Its difference from alienation and fetishism is based on the fact that reification is a specific problem of contemporary capitalist societies of the stage of industrial and financial capitalism, as well as by referring directly to the relationship between things and persons; however, alienation is a category that, despite expressing a subjective condition of the individuals, has as its peculiarity a phenomenon prior to capitalist societies, although it is present in the latter, being associated with the social division of labor and appearing in history in pre- capitalists. In Marx, alienation is evidenced mainly in early works (when the philosopher was influenced by the Hegelian theory of alienation), as in the Economic and Philosophical Manuscripts of 1844 and the German Ideology of 1846. As for fetishism, it differs from reification above all by referring specifically to the commodity and its effects in individuals, considering that commodity in the universal form is a particularity of the modern capitalist economy, similar to reification. Thus, the research seeks to answer a question: if the reification of social relations, as a specific phenomenon of capitalist society, is identified with the fetishism of the commodity and with alienation.pt_BR
dc.description.provenanceSubmitted by Eliane Freitas (elianneaninha@gmail.com) on 2019-07-04T17:49:58Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 805 bytes, checksum: c4c98de35c20c53220c07884f4def27c (MD5) Arquivototal.pdf: 1741174 bytes, checksum: a77c32d4bf47abfe9b11c4ecc59185cf (MD5)en
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2019-07-04T17:49:58Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 805 bytes, checksum: c4c98de35c20c53220c07884f4def27c (MD5) Arquivototal.pdf: 1741174 bytes, checksum: a77c32d4bf47abfe9b11c4ecc59185cf (MD5) Previous issue date: 2018-12-12en
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPESpt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal da Paraíbapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.rightsAttribution-NoDerivs 3.0 Brazil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/*
dc.subjectMercadoriapt_BR
dc.subjectFetichismopt_BR
dc.subjectAlienaçãopt_BR
dc.subjectReificaçãopt_BR
dc.subjectRacionalizaçãopt_BR
dc.subjectCommoditypt_BR
dc.subjectFetishismpt_BR
dc.subjectAlienationpt_BR
dc.subjectReificationpt_BR
dc.subjectRationalizationpt_BR
dc.titleA tradição Marxista e o problema da reificação: um exame críticopt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.contributor.advisor1Sobreira Filho, Enoque Feitosa-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4321425005255787pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/9923647049619463pt_BR
dc.description.resumoO presente Estudo investiga a reificação das relações sociais - coisificação - na tradição marxista, com enfoque na atualidade desse fenômeno. Para atingir esse objetivo proposto, três capítulos foram construídos: o primeiro capítulo aborda a permanência (ou não) da coisificação na atualidade e as circunstâncias em que ela aparece; o segundo capítulo teve como próposito pensar a vigência do conceito reificação a partir do diálogo com Georg Lukács para quem a reificação é interpretada como que enfatizando o vínculo com a racionalização weberiana em oposição ao fundamento marxiano da reificação que o reconhece no trabalho abstrato e na universalização da mercadoria; no terceiro capítulo, a ênfase é a exposição da alienação, da reificação e do fetichismo da mercadoria, a fim de validar a interação entre essas três categorias marxianas, no que diz respeito às condições de surgimento da reificação social. Ao mesmo tempo, faz-se a verificação da interseção e particularidade das mesmas. Assim, a hipótese que anunciamos consiste em que a reificação marxiana é uma categoria distinta da alienação e do fetichismo marxianos. Sua diferença em relação à alienação e ao fetichismo se fundamenta por ser a reificação um problema específico das sociedades contemporâneas capitalistas da etapa do capitalismo industrial e financeiro, bem como por se referir diretamente à relação coisas-pessoas; entretanto, a alienação é uma categoria que, apesar de expressar uma condição subjetiva dos indivíduos, tem como peculiaridade ser um fenômeno anterior às sociedades capitalistas, embora esteja presente nesta última, estando associada à divisão social do trabalho e surgindo na história em sociedades précapitalistas. Em Marx, a alienação é evidenciada principalmente nas primeiras obras (quando o filósofo estava influenciado pela teoria hegeliana da alienação), a exemplo dos Manuscritos Econômico-filosóficos de 1844 e da Ideologia Alemã de 1846. Quanto ao fetichismo, ele se diferencia da reificação sobretudo por se referir pontualmente à mercadoria e aos efeitos que ela provoca nos sujeitos, considerando que a mercadoria na forma universal constitui uma particularidade da economia capitalista moderna, semelhante à reificação. Assim, a pesquisa busca responder a uma questão: se a reificação das relações sociais, enquanto fenômeno específico da sociedade capitalista, identifica-se com o fetichismo da mercadoria e com a alienação.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentFilosofiapt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Filosofiapt_BR
dc.publisher.initialsUFPBpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIApt_BR
Appears in Collections:Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA) - Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Arquivototal.pdfArquivo total1,7 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons