Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/14852
metadata.dc.type: Tese
Title: O não ético do capital a partir do projeto ético político-ecológico de libertação em Dussel
metadata.dc.creator: Rodrigues, Fernandes Antonio Brasileiro
metadata.dc.contributor.advisor1: Silva, Bartolomeu Leite da
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Vieira, Antonio Rufino
metadata.dc.description.resumo: A presente pesquisa investiga a Filosofia da Libertação em Dussel, sua gênese e evolução, assumindo a influência fundamental e decisiva do filósofo Karl Marx sobre esse pensamento, de modo especial a partir do conceito de exterioridade. Esta é entendida como o âmbito onde o outro se revela e se manifesta como ser livre. Embasado na exterioridade como a categoria principal do pensamento marxiano e pressuposto teórico fundamental, o discurso de Dussel torna-se viável, em particular na condição de pensador que opta pela vítima, o que o distingue em seu pensar filosófico. Este trabalho tem como objetivo de estudo a preocupação ética com a libertação do homem a partir do não ético do capital implícita na relação social de produção, que em Dussel, perpassa o campo político-ecológico em que a humanidade do homem é negada. Diante disso, aqui se assume a tese de que há, em Dussel, uma vocação natural pela vítima: o seu pensar é dirigido e construído, propositalmente, em favor da vítima. O esforço deste trabalho é o de mostrar que a opção pela vítima será o fio condutor de todo seu pensamento enquanto Filosofia da Libertação, passando pela Ética, pela Política e pela Ecologia, tomando a mediação política para chegar à Ecologia Material da Libertação. Para isso, como estratégia de abordagem, as categorias exterioridade e libertação sinalizam para uma análise filosófica necessária ao tema investigado, através da leitura das principais obras de Dussel, em diálogo com a Filosofia da Práxis de Marx. Como desdobramento da hipótese levantada, intenciona-se mostrar como a opção de Dussel pela vítima exige da Filosofia da Libertação uma pretensão crítica de pensamento, sob quatro perspectivas: a da História da Filosofia em América e da Filosofia da Libertação, no sentido de expressar o eco dos oprimidos desde sua origem; de uma Filosofia da Libertação, enquanto pretensão crítica da modernidade; de uma Ética da Libertação desde uma releitura marxista de Dussel, norteada pela categoria do trabalho vivo que indica a exploração e dominação do trabalhador, da vítima; e de uma de uma Filosofia Ecológica, exigindo uma práxis política de libertação fundada numa reflexão ecológico-material. O trabalho filosófico, pois, está desafiado e provocado pela necessidade real de ir ao auxílio da vítima, exigência do povo latino-americano em seu caminho de libertação. Quanto aos resultados, ressaltam-se a compreensão da realidade e a crítica ao sistema capitalista, com ênfase na reflexão filosófica teórico-prática de Enrique Dussel, no campo ecológico, o qual entrecruza todos os demais – ético, político, econômico, etc. –, pelas suas contribuições no cenário contemporâneo tão conturbado, pela coragem em apontar rumo a outra sociedade que esteja além desta, moderna e capitalista, que oprime e massacra o trabalhador.
Abstract: This research investigates the philosophy of liberation in Dussel, its genesis and evolution, assuming the fundamental and decisive influence of philosopher Karl Marx to that thought, in particular, from the concept of exteriority. This is understood as being the area where the other reveals and manifests itself as a free being. Stem from the exteriority as the main category of thought in Marx, and fundamental theoretical assumption, Dussel's speech becomes feasible, in particular, as a thinker who opts for the victim, which was constituted as the distinctive feature in his philosophical thinking. The work aims to study the ethical concern with the liberation of the man from the unethical of capital, implicit in the social relations of production, which in Dussel, pervades the political-ecological field in which humanity is denied. Given this, it is assumed that in Dussel's thesis there is a natural vocation for the victim: his thinking is directed and built, deliberately, in favor of the victim. The effort of this work is to show that the victim is the common thread of all his thought while Liberation Philosophy, passing through Ethics, Politics and Ecology, by taking the political mediation to reach an Ecological Material of Liberation. To do this, as an approach strategy, the categories exteriority and liberation signal the philosophical analysis to the necessary inclination along with the topic investigated, through the reading of Dussel's major works, in dialogue with the philosophy of praxis of Marx. As an outcome of the hypothesis raised, it is intended to show how Dussel's option for the victim demands from the Philosophy of Liberation a critical pretension of thought, under four perspectives: historically situate Dussel, the History of Philosophy in America and the Philosophy of Liberation, in the sense of expressing the echo of the oppressed since its origin; through an Ethics of Liberation, as a critical pretension of modernity; of an Ethics of Liberation from a Marxist rereading of Dussel, guided by the category of living labor which indicates the exploitation and domination of the worker, the victim; and an Ecological one, demanding a Political Praxis of Liberation based on an Ecological Material Reflection. Therefore, the philosophical work is challenged and provoked by the real need to go to the victim's aid, a demand of the Latin American people on their way to liberation. As for the results, it is emphasized the understanding of reality and the critique of the capitalist system with emphasis on the philosophical theoretical-practical reflection of Enrique Dussel, in the ecological field, which crosses all the others, ethical, political, economic, etc .; for their contributions in the chaotic contemporary scenario, for the courage to point to the other society that is beyond this one, modern and capitalist that oppresses and massacres the worker.
Keywords: Ecológico-material
Ética
Práxis de libertação
Vítima
Ecological material
Ethics
Praxis of liberation
Victim
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal da Paraíba
metadata.dc.publisher.initials: UFPB
metadata.dc.publisher.department: Filosofia
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Filosofia
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Attribution-NoDerivs 3.0 Brazil
metadata.dc.rights.uri: http://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/
URI: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/14852
Issue Date: 11-Sep-2018
Appears in Collections:Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA) - Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Arquivototal.pdfArquivo total1,23 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons