Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/15277
metadata.dc.type: Artigo de Evento
Title: A feira central de Campina Grande (PB) e o campo do patrimônio: disputas por espaço e legitimidade
metadata.dc.creator: Peregrino, Lucas Neiva
Batista, Mércia Rejane Rangel
metadata.dc.description.resumo: Em torno da Feira Central de Campina Grande (PB), instaura-se um discurso sobre a origem da cidade e sobre a sua vocação originária. A cidade é dita como tendo nascido a partir desse ponto central, permitindo aos tropeiros da Borborema um local fértil para o seu comércio. Para além da legislação brasileira, a Feira Central de Campina Grande é percebida enquanto um patrimônio, uma referência cultural, mesmo não tendo recebido (ainda) o título de Patrimônio Cultural do Brasil, uma vez que para isso necessita-se respeitar o ritual de patrimonialização descrito pela lei. Sabemos que esse campo excede em muito o simples cumprimento legal de um processo e que diversas questões envolvem-se na constituição e realização deste objeto enquanto patrimônio cultural imaterial ou material, o que motivou a pesquisa que se apresenta nessa comunicação. Destacamos nesse cenário questões relacionadas à especulação imobiliária e, desta forma, aos interesses privados que se sobressaem ao direito difuso de preservação patrimonial; questões relacionadas a disputa de poder e de capital social entre as diversas instituições que fazem parte deste campo de ação; questões relacionadas a própria gestão de políticas públicas, uma vez que a patrimonialização do bem restringe a ação material dos particulares e do próprio Estado; dentre tantas outras problemáticas. Partindo de uma leitura bourdieusiana de campo, estamos desenvolvendo a pesquisa de dissertação de mestrado refletindo sobre o campo do patrimônio a partir da experiência de patrimonialização da Feira Central de Campina Grande, que teve seu pedido de registro feito em 2007, e que até este momento não teve o processo legal concluído, gerando consequências para a conservação e fomento da cultura local. O nosso objetivo principal é analisar o caso da Feira Central apontando a complexidade do processo de patrimonialização para além de uma visão meramente legalista que vê o registro como um processo material que se concretiza em atos consecutivos. Ao contrário, percebe-se que o caso estudado exemplifica a fragilidade desta visão. A patrimonialização é um espaço onde diversos processos políticos acontecem. Metodologicamente utilizamos a técnica da observação, além das entrevistas com os diferentes participantes do campo envolvidos no processo de patrimonialização, como também em fontes secundárias (documentos históricos, aparato jurídico, além das fontes jornalísticas e acadêmicas) que estruturam o campo.
Abstract: - - -
Keywords: Feira
Campo do Patrimônio
Disputas políticas
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal da Paraíba
metadata.dc.publisher.initials: UFPB
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil
metadata.dc.rights.uri: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/
URI: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/15277
Issue Date: 2017
Appears in Collections:Patrimônio Cultural, Diversidade e Territórios

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ICOMOS Completo Lucas Neiva Peregrino - Lucas Neiva Peregrino.pdf535,87 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons