Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/3114
metadata.dc.type: TCC
Title: As faces da violência contra infância e adolescência: um estudo no ambulatório de atendimento a vítimas de violência e acidentes (AMVIVA)
metadata.dc.creator: Silva, Jesimiele Vanesa Da
metadata.dc.contributor.advisor1: Araújo, Alecsonia Pereira
metadata.dc.description.resumo: O presente Trabalho de Conclusão de Curso teve como objetivo traçar o perfil das crianças e dos adolescentes atendidos pelo Serviço Social no Ambulatório de Atendimento às Vítimas de Violências e Acidentes (AMVIVA), evidenciando as expressões do fenômeno da violência, compreendendo-a enquanto manifestação grave da Questão Social. Neste sentindo, entende-se criança e adolescente enquanto sujeitos de direitos e devem ser tratados com absoluta prioridade nas políticas sociais públicas e, sobretudo, devem ter garantidos, o direito à vida, saúde, como preconiza o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). No entanto, verifica-se uma enorme distância entre a realidade cotidiana das crianças e dos adolescentes, das propostas e normativas que estabelecem a proteção integral e a efetivação de seus direitos. A violência apresenta-se, como produto desse processo, desencadeia uma série de fatores que colocam as crianças e os adolescentes em situação de vulnerabilidade. Diante disto, o trabalho parte da experiência de estágio obrigatório II, realizado no Complexo de Pediatria Arlinda Marques (CPAM) durante os meses de fevereiro a junho de 2017. A partir das observações e inquietações no espaço do estágio, houve o interesse de realizar a pesquisa no AMVIVA. Assim, foram coletados os dados a partir do instrumental técnico do Serviço Social, denominado de acompanhamento social, entre os anos de 2010 a maio de 2017, cujo quantitativo de atendimento foram em torno 250, no entanto, foi realizada a sistematização dos dados com 190, haja vista estarem alinhados com as categorias estabelecidas no estudo, quais sejam: sexo, faixa etária, procedência, tipos de violência e seus possíveis autores. Os resultados revelaram que crianças e adolescentes convivem em seu cotidiano com a negligência/abandono, com o Bullying, violência física, psicológica e a mais severa, a violência sexual, onde nela, estão implícitas todas as outras formas de violência. Constatou-se também que as principais vítimas são meninas, representando um percentual de 62%, cujos principais autores da violência são familiares, somando-se um total de 45%, enquanto que 32% correspondem a pessoas sem relação de consanguinidade, todavia, estas possuem uma estreita relação interpessoal com as crianças e os adolescentes, sendo estes, o vizinho, amigo ou conhecido, assim, corroborando para a reflexão de que o espaço familiar constitui-se um ambiente vulnerável para o desenvolvimento sadio de crianças e adolescentes, exigindo estratégias de atendimento, com vistas a possibilitar uma realidade diferente para estas. Diante disto, conclui-se, a partir dos resultados obtidos, que a violência pertence à estrutura macrosocietária, está embutida na cultura, nas formas de organizações sociais e está para além das relações desiguais estabelecidas pelo capital, ela, acompanha o início da humanidade, não podendo desta forma, ser naturalizada, tampouco banalizada, deve ser compreendida enquanto problema estrutural, o qual exige também soluções estruturais.
Abstract: The purpose of this study was to trace the profile of children and adolescents assisted by the Social Service in the Ambulatory Care for Victims of Violence and Accidents (AMVIVA), demonstrating the expressions of the phenomenon of violence, including it as a serious manifestation of the Social Question. In this sense, children and adolescents are understood as subjects of rights and must be treated with absolute priority in public social policies and, above all, must have guaranteed the right to life, health, as advocated by the Statute of the Child and Adolescent). However, there is a huge gap between the daily reality of children and adolescents, the proposals and regulations that establish the integral protection and the realization of their rights. Violence appears, as a product of this process, triggers a series of factors that make them victims. In view of this, the work starts from the experience of compulsory training II, performed at the Pediatric Arlinda Marques Complex (CPAM) during the months of February to June 2017. From the observations and concerns in the internship space, there was the interest to carry out the research in AMVIVA. Thus, data were collected from the Social Service technical instruments, called social monitoring, between the years of 2010 and May 2017, whose attendance quantification was around 250, however, the data was systematized with 190 , as they are aligned with the categories established in the study, namely: gender, age group, origin, types of violence and their possible perpetrators. The results revealed that children and adolescents coexist in their daily life with neglect / abandonment, with Bullying, physical violence, psychological and the most severe, sexual violence, in which all other forms of violence are implicit. It was also found that the main victims are girls, representing a percentage of 62%, whose main perpetrators of violence are familial, totaling 45%, while 32% correspond to people without a relationship of consanguinity, however, these have a close interpersonal relationship with children and adolescents, being the neighbor, friend or acquaintance, thus supporting the reflection that the family space is a vulnerable environment for the healthy development of children and adolescents, requiring strategies with a view to enabling a different reality for these. In view of this, it is concluded from the results obtained that violence belongs to the macrosocietary structure, is embedded in culture, forms of social organizations and is beyond the unequal relations established by capital, it accompanies the beginning of humanity, nor can it be naturalized nor banalized, must be understood as a structural problem, which also requires structural solutions.
Keywords: Criança e Adolescente
Violência
Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)
Ambulatório de Atendimento às Vítimas de Violências e Acidentes (AMVIVA)
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::SERVICO SOCIAL
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal da Paraíba
metadata.dc.publisher.initials: UFPB
metadata.dc.publisher.department: Serviço Social
metadata.dc.rights: Acesso aberto
URI: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/3114
Issue Date: 28-Nov-2017
Appears in Collections:TCC - Serviço Social

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
JVS07122017.pdf1,29 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons