Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/3738
metadata.dc.type: TCC
Title: Avaliação da atividade antioxidante e fotoprotetora de espécies da família annonaceae
metadata.dc.creator: Andrade, Rodrigo Silva de
metadata.dc.contributor.advisor1: Tavares, Josean Fechine
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Nascimento, Yuri Mangueira do
metadata.dc.description.resumo: A família Annonaceae foi catalogada em 1789 por Jussieu, e possui aproximadamente 2.500 espécies e 108 gêneros, das quais, 386 espécies ocorrem no Brasil, a maior parte nas regiões Norte e Nordeste. Dentre elas, Anaxagorea dolichocarpa (“paixinho”), Fusaea longifolia (“envira”) e Xylopia langsdorffiana (“pimenteira-da-terra”), que são bem distribuídas no país, e carecem de uma avaliação de sua atividade antioxidante e fotoprotetora. No Brasil o câncer de pele é uma das neoplasias mais comum, desta forma é fundamental a realização de estudos com produtos naturais objetivando o desenvolvimento de novos fotoprotetores. Diante disso, este trabalho teve como objetivo realizar um estudo da atividade antioxidante e fotoprotetora dos extratos etanólicos brutos (EEB’s) de três espécies acima citadas. Para tanto, as raízes de A. dolichocarpa foram coletadas no município de Cruz do Espirito Santo (PB), bem como as folhas de X. langsdorffiana, e o caule de F. longifolia na reserva Mocambo (PA). Todas foram secas e pulverizadas, e a partir do pó obtido, foi feita, individualmente, uma maceração com Etanol a 95% para obter o EEB de cada planta a ser trabalhada. Para realizar o teste da atividade antioxidante in vitro, foi utilizado o método de sequestro de radicais (DPPH), onde o resultado obtido é expresso em CE50 e o padrão utilizado é o ácido ascórbico. O teor de compostos fenólicos totais das amostras foi determinado utilizando o método de Folin-Ciocalteu, que tem como padrão o ácido gálico, enquanto que o teor de flavonoides totais foi determinado pelo método colorimétrico com AlCl3, sendo utilizada a quercetina como padrão. Todas as análises foram feitas em triplicata. Para determinar a atividade fotoprotetora, foi utilizada a técnica de absorbância máxima, que consiste em fazer uma varredura de espectro na faixa de comprimento de onda entre 220 a 400 nm, para que a partir desses valores, seja possível calcular o fator de proteção solar (FPS) in vitro, utilizando o método desenvolvido por Mansur. Após análise dos dados, foi observado que o EEB de F. longifolia obteve a melhor atividade antioxidante com CE50 de 26,84 ± 0,36 μg/mL, e a maior quantidade de compostos fenólicos com 267,71 ± 10,55 mg EAG/g de amostra, enquanto que o EEB de X. langsdorffiana apresentou a maior quantidade de flavonoides totais com 25,10 ± 2,62 mg querc/g de amostra. Na avaliação da atividade fotoprotetora, o EEB de A. dolichocarpa, foi o que obteve os melhores resultados, com FPS de 4,03 na concentração de 150 μg/mL, contudo, este valor não atingiu o mínimo de 6 para ser considerado um fotoprotetor ativo. Os resultados deste trabalho mostraram que das três espécies avaliadas, nenhuma apresentou um valor de FPS mínimo para que sejam consideradas ativas, entretanto, foi constatado que F. longifolia possui uma ótima atividade antioxidante e uma grande quantidade de compostos fenólicos, portanto, é sugestivo que seja feito um estudo mais aprofundado sobre esta espécie para a possível incorporação desse extrato a uma formulação com um filtro solar, tendo em vista que os antioxidantes podem atuar como um complemento aos protetores solares.
Abstract: The Annonaceae family was cataloged in 1789 by Jussieu, and has approximately 2,500 species and 108 genera, of which, 386 species occur in Brazil, mostly in the North and Northeast. Among them, Anaxagorea dolichocarpa (“paixinho”), Fusaea longifolia (“envira”) and Xylopia langsdorffiana (“pimenteira-da-terra”), which are well distributed in the country, however, lack an evaluation of their antioxidant and photoprotective activity. In Brazil skin cancer is one of the most common neoplasms, so it is fundamental to carry out studies with natural products aiming the development of new photoprotectors. Therefore, the objective of this work was to study the antioxidant and photoprotective activity of the crude ethanolic extracts (CEE) of three species mentioned above. The roots of A. dolichocarpa were collected in the municipality of Cruz do Espirito Santo (PB), as well the X. langsdorffiana leaves, and the stem of F. longifolia in the Mocambo reserve (PA). All were dried and pulverized, and from the obtained powder, a maceration with 95% Ethanol was done individually to obtain the crude ethanolic extract of each plant to be worked. In order to test the antioxidant activity in vitro, the radical sequestration method (DPPH) was used, where the result obtained is expressed in EC50 and the standard used is ascorbic acid. The total phenolic compounds content of the samples was determined using the Folin-Ciocalteu method, which has gallic acid as standard, while the total flavonoid content was determined by the colorimetric method using aluminum chloride, and quercetin was used as the standard. All analyzes were done in triplicate. To determine the photoprotective activity, the maximum absorbance technique was used, which consists of making a spectrum scan in the wavelength range between 220 and 400 nm, so that from these values, it is possible to calculate the sun protection factor in vitro, using the method developed by Mansur. After analyzing the data, it was observed that the CEE of F. longifolia obtained the best antioxidant activity with EC50 of 26.84 ± 0.36 μg / mL and the highest amount of phenolic compounds with 267.71 ± 10.55 mg EAG / g of sample, whereas the CEE of X. langsdorffiana presented the highest amount of total flavonoids with 25.10 ± 2.62 mg querc / g of sample. In the evaluation of the photoprotective activity, the CEE of A. dolichocarpa was the one that obtained the best results, with photoprotection factor of 4.03 in the concentration of 150 μg / mL, however, this value did not reach the minimum of 6 to be considered a photoprotector active. The results of this work showed that none of the three evaluated species had a minimum photoprotection factor value to be considered active, however, it was found that F. longifolia has an excellent antioxidant activity and a large amount of phenolic compounds, therefore, it is suggestive that a more in-depth study of this species for a possible incorporation of this extract to a formulation with a sunblock, considering that the antioxidants can act as a complement to the sunscreens.
Keywords: Annonaceae
Filtro solar
Fotoproteção
Farmacologia
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::FARMACIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal da Paraíba
metadata.dc.publisher.initials: UFPB
metadata.dc.publisher.department: Farmacologia
metadata.dc.rights: Acesso aberto
URI: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/3738
Issue Date: 27-Nov-2017
Appears in Collections:TCC - Farmácia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
RSA04122017.pdf1,73 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons