Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/669
metadata.dc.type: TCC
Title: A educação nas prisões brasileiras, estudo de caso: penitenciária de segurança máxima criminalista Geraldo Beltrão em João Pessoa - PB.
metadata.dc.creator: Aguiar Junior, Almir vieira de.
metadata.dc.contributor.advisor1: Alonso, Sérgio Fernandes.
metadata.dc.description.resumo: O presente estudo propõe uma investigação das possibilidades da educação no sistema prisional brasileiro, mais especificamente no paraibano, como ferramenta de mudança de comportamento dos apenados, propiciada por meio de práticas educativas. Os limites do encarceramento em prisões constitui-se num método de institucionalização da punição, cuja finalidade é a de tornar os indivíduos dóceis, por meio de uma rotina que expropria dos que cumprem pena privativa de liberdade a sua compreensão do que é ser parte constituinte da sociedade, negando sua condição humana, em nome de uma preocupação por segurança e vingança desfavorecendo o prisioneiro e destruindo sua identidade social, conduzindo-o a uma subcultura do cárcere. As péssimas condições em que a pena é conduzida no confinamento são potencializadas pelas deficiências estruturais das prisões; proliferação de doenças, o ócio, a superlotação entre outros, constituem obstáculos à ressocialização dos condenados, não atendendo a individualização da pena. A educação é entendida como um instrumento libertador, oferecendo ao homem a possibilidade de conhecer o mundo no qual está inserido, sendo este responsável pelo seu destino, isto descrito em textos normativos nacionais e internacionais, opondo-se a realidade do sistema penitenciário. Pautando-se na análise bibliográfica e nos relatos dos profissionais penitenciários, apenados e da experiência adquirida in loco, o estudo permitiu entender a educação em unidades prisionais, mesmo com um número grande de empecilhos, o vislumbramento de uma nova realidade, alheia a criminalidade.
Abstract: The present study proposes an investigation of the possibilities of education in the Brazilian prison system, more specifically in Brazil, as a tool for behavior change of prisoners, provided through educational practices. The limits of incarceration in prisons constitutes a method of institutionalization of punishment, whose purpose is to make people docile, through a routine that expropriation of the custodial sentence that meet their understanding of what it means to be a constituent part of society by denying their human condition, on behalf of a concern for safety and revenge detriment of the prisoner and destroying their social identity, leading to a subculture of the jail. The terrible conditions in which the penalty is conducted in confinement are potentiated by the structural weaknesses of prisons; proliferation of diseases, idleness, overcrowding among others, constitute obstacles to the resocialization of convicts, not answering the individualization of the sentence. Education is understood as a liberating instrument, giving the man a chance to see the world in which it is inserted, this being responsible for his fate, this described in national and international normative texts, opposing the reality of the penitentiary system. Basing on the analysis of reports and bibliographic prison professionals, apenados and experience gained on the spot, the study allowed understanding the education in prison units, even with a large number of obstacles, the beautiful Jacuzzi of a new reality, unrelated crime.
Keywords: Educação
Sistema prisional brasileiro
Prisões brasileiras
Práticas educativas em prisões
Education
Brazilian prison system
Brazilian prisons
Prison educational practices
metadata.dc.publisher.department: Geociências
URI: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/669
Issue Date: 7-Aug-2014
Appears in Collections:TCC - Geociências

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
AVAJ07082014.pdf1.78 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.