Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/6892
metadata.dc.type: Dissertação
Title: As prioridades valorativas mudam com a idade?: testando as hipóteses de rigidez e plasticidade
Other Titles: Does values priorities change with age? Testing hardness and plasticity hypothesis
metadata.dc.creator: Vione, Katia Corrêa
metadata.dc.contributor.advisor1: Gouveia, Valdiney Veloso
metadata.dc.description.resumo: Adotando a Teoria funcionalista dos valores humanos, a presente dissertação pretende contribuir com a temática da mudança em valores, testando se as subfunções valorativas mudam (hipótese de plasticidade) ou permanecem sem alterações significativas (hipótese de rigidez) após os 35 anos de idade: tomando em conta três estágios principais de desenvolvimento: adolescência (12 a 18 anos), jovem adulto (19 a 35 anos) e adulto maduro (36 a 65). Tratou-se de uma pesquisa transversal, contando com a participação de 36.845 pessoas de todas as unidades federativas, com idade média de 28 anos (dp = 12,62), distribuídos de forma equitativa quanto ao sexo, representando os três grupos amostrais: adolescentes (n = 9.638), jovens adultos (n = 16.520) e adultos maduros (n = 10.687). Todos responderam o Questionário dos Valores Básicos (QVB) e perguntas demográficas (idade e sexo). Os participantes foram abordados em locais públicos, ambientes de trabalho e salas de aula, sendo as instruções dadas por escrito no próprio questionário. Primeiramente, checaramse duas versões acerca da hipótese de mudança: (1) se a partir dos 35 anos existe mudança nos valores, isto é, se os slopes para homens e mulheres diferem de zero (hipótese de rigidez); e (2) se as mudanças entre os valores podem ser identificadas ao longo dos três períodos de desenvolvimento indicados, isto é, se os slopes destes grupos são diferentes (hipótese de plasticidade). A partir de testes t, calculou-se, para cada subfunção, se o slope correspondente à variável idade diferia estatisticamente de zero, deixando-se de confirmar esta hipótese apenas para existência e interativa. No que se refere à hipótese de plasticidade, esta foi testada por meio de teste F, observando-se diferenças significativas entre os slopes dos grupos para cinco subfunções, não sendo corroborada apenas na subfunção interativa. Posteriormente, comprovaram-se os padrões de desenvolvimento ou mudanças destas subfunções em razão da idade dos participantes, testando diferentes modelos de regressão (linear, quadrático e cúbico). Como critério para escolher entre os estes padrões de regressão, teve-se em conta que um modelo mais complexo seria retido apenas se obtivesse uma melhora no ajuste, isto é, se apresentasse valor de F > 25 (p < 10-5) em relação a um modelo mais simples. Observaram-se modelos lineares para as subfunções realização, suprapessoal e interativa, e modelos quadráticos nas subfunções experimentação, existência e normativo; o modelo cúbico, por não apresentar melhora no ajuste em relação aos demais, foi rejeitado. Estes achados apóiam a concepção de plasticidade no desenvolvimento dos valores humanos, indicando que ocorrem mudanças contínuas ao longo de toda vida, algumas das quais assumindo um padrão linear, embora outras demandam um padrão quadrático, evidenciando que valores que são importantes na adolescência (e.g., experimentação), podem não ser na fase adulta. Discutem-se tais padrões de mudanças nos valores a partir de modelos teóricos do desenvolvimento humano, como aquele elaborado por Erikson.
Abstract: Adopting Funcionalist theory of human values, de present dissertation aims to contribute with the value change theme, testing wether the value subfunctions change (soft plaster hypothesis) or remain without meaningful changes (plaster hypothesis) after 35 years old, taking into account three mains development stages: adolescence (12 to 18 years), young adult (19 to 35 years) and mature adult (36 to 65 years). It was a cross-sectional survey, counting with the participation of 36,845 people of all federative unities, with mean age of 28 years (sd = 12.62), equally distributed by sex, representing three sample groups: adolescents (n = 9,638), young adults (n = 16,520) and mature adults (n = 10,687). They ansewered the Basic Values Suervey (BVS) and demographic questions (age and sex). Participants were approached in public locations, at work and at school class, the instructions were given on the questionnaire. First, it was checked the two versions of the change hypothesis: (1) wether there is change in values after 35 years old, that is, if the slopes for men and women differ from zero (plaster hypothesis); and (2) wether the changes in values can be identifyied during the three development stages indicated, that is, if the slops of the groups are different (soft hypothesis). From t tests it was calculated, for each subfunction, if the slope correspondent to age differed from zero, this hypothesis was not confirmed for existence and interactive. Regarding the soft hypothesis, it was tested through F test, there were there were significant differences between the slopes of the development groups for five subfunctions, not being corroborated only for interactive subfunction.After, it were proven the patterns of development or change of these subfuncions in regards with the age of the participants, testing different regression models (linear, quadratic and cubic). As a criteria to choose between the regression patterns, it was took into account that a more complex model would be retained if it had an improvement in the adjustmente, that is, if had F > 25 (p < 10-5) compared to a simple model. Linear models were observed for the subfunctions of promotion, suprapersonal and interactive, quadratic models of excitement, existence and normative, the cubic model was rejected because it didn t present improvement in the adjustment compared to simple models. These findings support the conception of plasticity in the values development, indicating that changes occur during the whole life, some assuming a linear pattern, although otters demand a quadratic pattern, showing that values that are important in adolescence (e.g., excitement), may not be in adulthood. These change patterns are discussed using theoretical models of human development, as Erikson s model.
Keywords: Valores humanos
Mudança
Rigidez
Plasticidade
Desenvolvimento
Human values
Change
Plaster
Plasticity
Development
metadata.dc.subject.cnpq: CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal da Paraí­ba
metadata.dc.publisher.initials: UFPB
metadata.dc.publisher.department: Psicologia Social
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social
Citation: VIONE, Katia Corrêa. As prioridades valorativas mudam com a idade?: testando as hipóteses de rigidez e plasticidade. 2012. 152 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) - Universidade Federal da Paraí­ba, João Pessoa, 2012.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/6892
Issue Date: 16-Feb-2012
Appears in Collections:Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivototal.pdf1,44 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.