Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/6911
metadata.dc.type: Dissertação
Title: Depressão e insuficiência renal crônica: representações sociais de pacientes em hemodiálise e cuidadores.
metadata.dc.creator: Costa, Fabrycianne Gonçalves
metadata.dc.contributor.advisor1: Coutinho, Maria da Penha de Lima
metadata.dc.description.resumo: Objetivou-se apreender as representações sociais acerca da depressão e da Insuficiência Renal Crônica (IRC) elaboradas por pacientes nefrológicos em tratamento da hemodiálise e por cuidadores, com e sem sintomas depressivos. Especificamente, se buscou mensurar o índice da depressão nos pacientes nefrológicos e em seus cuidadores; relacionar as variáveis biossociodemográficas dos pacientes e de seus cuidadores com a depressão; analisar os diferentes campos semânticos representacionais acerca da IRC, tratamento, hemodiálise e depressão e, por último, verificar os consensos e dissensos das representações sociais elaboradas pelos participantes no contexto da IRC. Tratou-se de uma pesquisa de campo, descritiva, de cunho qualitativo e quantitativo, tendo como matriz teórica as Representações Sociais. O lócus da pesquisa compreendeu três instituições hospitalares, que disponibilizam o tratamento da hemodiálise para adultos e mantêm convênio com o SUS. A amostra foi do tipo não probabilístico e de conveniência, compreendida por 50 pacientes com idades entre 20 e 73 anos, (M=46,05; DP= 13,4) e 50 cuidadores com idades entre 18 e 68 anos (M= 40,7; DP=14,0). Utilizaram-se como instrumentos: um questionário biossociodemográfico, a escala hospitalar de ansiedade e depressão HADS-D (especificamente a sub-escala de depressão), a técnica da associação livre de palavras (TALP) e uma entrevista semiestruturada. Para tratamento dos dados, foram realizadas as estatísticas descritiva e inferencial (qui-quadrado e correlação de Pearson e Spearman). As evocações foram analisadas por meio da Análise Fatorial de Correspondência e as entrevistas foram processadas pelo programa Alceste (análise hierárquica descendente, ascendente e análise cruzada). Os resultados indicaram que 20% dos pacientes e 46% dos cuidadores apresentaram sintomas de depressão. Verificou-se uma correlação positiva (r= (0,37) e p= 0,008) entre o tempo de acompanhamento dos cuidadores e a depressão, sugerindo que quanto maior o tempo de cuidado, maior o nível de depressão desses acompanhantes. A IRC foi representada pelos cuidadores como sinônimo de doença difícil. Os pacientes renais associaram a complexidade da doença ao seu tratamento (difícil), sendo objetivada como uma doença incurável e de causa desconhecida. A depressão foi objetivada como ruim. Os participantes ancoraram o saber em aspectos físico-orgânicos e psicoafetivos, destacando suas vivências histórico-factuais frente às dificuldades no tratamento da doença, nomeadamente a hemodiálise e seus múltiplos significados (morte e vida). A análise do Alceste evidenciou cinco classes: Significados da depressão , Suporte familiar no contexto da IRC , Suporte espiritual no tratamento , Fatores nutricionais e Descobrindo o diagnóstico . A análise cruzada revelou que as representações dos pacientes estão vinculadas ao tratamento e a dos cuidadores se relaciona ao apoio dado aos familiares. Embora os pacientes apresentem um elevado índice de depressão, a prevalência da doença em cuidadores foi sobressalente. Esta realidade aponta para a necessidade de enfrentamento do problema, não apenas no contexto do grupo de nefrológicos, mas também no contexto dos cuidadores que, em geral, vivenciam, juntamente com os pacientes, as limitações impostas pela doença.
Abstract: This study aimed to apprehend the social representations about depression and Chronic Renal Failure (CRF) elaborated by nephrological patients in dialysis treatment and their caregivers, with and without depressive symptoms. Specifically, we sought to measure the rate of depression in nephrological patients and their caregivers; relate bio-sociodemographic variables of patients and their caregivers with the depression; analyze the different representational semantic fields about CRF, treatment, hemodialysis, and depression and, finally, verify the consensus and dissent of social representations elaborated by participants in the context of CRF. It was treated as a field research, descriptive, qualitative and quantitative, having as theoretical basis the Social Representations. The locus of the research comprehended three hospitals that provide treatment of hemodialysis for adults and maintain agreement with the SUS. The sample type was non-probabilistic and by convenience, comprised 50 patients with ages between 20 and 73 years (M= 46.05; SD =13.4)and 50 caregivers aged 18 to 68 years (M= 40,7; SD=14.0). Were used as instruments: a bio-sociodemographic questionnaire,the hospital scale for anxiety and depression HADS-D (specifically the sub-depression scale), the technique of free association of words and a semi-structured interview. For processing of data were performed descriptive and inferential statistics (chi-square,Pearson and Spearman's correlation). The evocations were analyzed by correspondence factorial analysis, and interviews were processed by Alceste (descending and ascending hierarchical analysis and cross-table analysis). The results indicated that 20% of patients and 46% of caregivers have symptoms of depression. There was a positive correlation (r= (0.37); p=0.008) between time of monitoring of caregivers and depression, suggesting that the as longer the duration of care, the higher is the level of depression of these accompanying. The CRF was represented by caregivers as synonymous of difficult disease. Renal patients have associated the disease complexity with their treatment(difficult), being objectified as an incurable disease and of unknown cause. Depression was objectified as bad. Participants have anchored the know in the physical-organic and psychoaffective aspects, highlighting their historical and factual experiences at the difficulty in treating the disease, namely hemodialysis and its multiple meanings (death and life). The analysis revealed five classes of the Alceste, "Meanings of depression", "Family support in the context of CRF", "Support spiritual in the treatment", "Nutritional factors", and "Discovering the diagnosis". Cross-analysis revealed that patients' representations are linked to treatment and of the caregivers is related to support to family members. Although patients show a high rate of depression, the prevalence of the disease in caregivers was spare. This fact points to the need to confront the problem not only in the context of the nephrological group, but also in the context of the caregivers who, in general, experience, joint with patients, the limitations imposed by the disease.
Keywords: Psicologia social
Depressão
Insuficiência renal crônica (IRC)
Representações sociais
Pacientes nefrológicos - cuidadores
Depression
Social representations
Chronic kidney disease
Dialysis
Caregivers of patients nephrological
metadata.dc.subject.cnpq: CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal da Paraí­ba
metadata.dc.publisher.initials: UFPB
metadata.dc.publisher.department: Psicologia Social
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social
Citation: COSTA, Fabrycianne Gonçalves. Depressão e insuficiência renal crônica: representações sociais de pacientes em hemodiálise e cuidadores.. 2013. 174 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) - Universidade Federal da Paraí­ba, João Pessoa, 2013.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/6911
Issue Date: 27-Feb-2013
Appears in Collections:Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ArquivoTotal.pdf1.76 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.