Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/974
metadata.dc.type: TCC
Title: Celulases para produção de etanol de segunda geração
metadata.dc.creator: Nascimento, Maria Samara Costa do
metadata.dc.description.resumo: O etanol produzido por matérias-primas renováveis surge como fonte substituta dos combustíveis fósseis, o qual permite a realização de um processo biotecnológico de menor impacto ambiental. A utilização de biomassa lignocelulósica para a bioprodução se tornou vital para a economia, devido ao seu caráter renovável, abundante e de baixo custo. Os resíduos lignocelulósicos (bagaço e palha) proveniente da cana-de-açúcar são fontes abundantes em carboidratos e a sua bioconversão tem recebido grande atenção. Tais resíduos são formados por: celulose, hemicelulose e lignina. Uma das linhas de estudo está a hidrólise desse resíduo, que pode ser ácida ou enzimática, visando a obtenção de açúcares fermentescíveis. A hidrólise enzimática é a mais empregada por ter menores taxas de degradação da glicose, menor formação de coprodutos inibidores e por apresentar bons rendimentos. A conversão do componente celulósico dessas biomassas residuais, a glicose, requer o uso de enzimas celulolíticas. O grande potencial que as celulases assumem nas emergentes indústrias de bioenergia e bioprodutos se torna uma motivação para o desenvolvimento de melhores preparações enzimáticas para a hidrólise da celulose. Entretanto, uma das maiores dificuldades na implantação de um processo de bioconversão da biomassa consiste no alto custo e na baixa atividade específica das enzimas necessárias à sacarificação da celulose. Uma maneira de fazer o processo economicamente viável é imobilizar as celulases de tal forma que as propriedades catalíticas sejam mantidas. Imobilização consiste no confinamento da enzima em uma suporte sólido para posterior reutilização do biocatalizador.
Abstract: Ethanol produced from renewable raw materials arises as a substitute source of fossil fuels, which allows the realization of a biotechnological process with less environmental impact. The use of lignocellulosic biomass to bioproduction has become vital to the economy due to their renewable nature, abundance and low cost. The lignocellulosic residues (bagasse and straw) from the sugarcane are abundant sources of carbohydrates and their bioconversion has received great attention. Such residues are formed by: cellulose, hemicellulose and lignin. A study of the lines is the hydrolysis of the residues, which can be acid or enzyme, in order to obtain fermentable sugars. Enzymatic hydrolysis is the most used to have lower glucose degradation rates, lower formation of byproducts inhibitors and to present good yields. The conversion of cellulosic component of such waste biomass, glucose, requires the use of cellulolytic enzymes. The potential cellulases assume that the emerging industry bioenergy and bioproducts becomes a motivation for the development of improved enzyme preparations for hydrolysis of cellulose. However, a major difficulty in the implementation of a biomass bioconversion process is the high cost and low specific activity of the enzymes necessary for the saccharification of cellulose. One way to make the process economically viable immobilized cellulase is such that the catalytic properties are maintained. Immobilization is the enzyme confinement in a solid support for reuse of the biocatalyst.
Keywords: Etanol - Biotecnologia
Biomassa Lignocelulósica
Hidrólise
Enzimas
Celulases
metadata.dc.publisher.department: Tecnologia Sucroalcooleira
URI: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/974
Issue Date: 22-Oct-2015
Appears in Collections:CTDR - TCC - Tecnologia em Produção Sucroalcooleira

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MSCN22102015.pdf652,39 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.